Silêncio

O que resta depois que a última palavra não dita vai embora?
Depois que o último gole foi tomado?
O gosto amargo na boca e a certeza das incertezas de amanhã.
Passar a limpo as histórias que nunca serão lidas.

Me visto de mim e saio às ruas.
Revisito passados.
Falo de morte.
Dou boas vindas à nova vida.
Na mesma mesa do mesmo lugar.
Bebendo de um novo copo.
Arrependimento líquido. Que nunca sacia.

No final da noite o copo vazio.
A cama vazia.
O coração gelado.
O corpo em brasa.

Na manhã seguinte o medo do espelho.
O corpo marcado.
A voz rouca.
E o coração tecelão de histórias inacabadas.


Instagram ancora-icone-blog-queimei-meus-navios Twitter ancora-icone-blog-queimei-meus-navios Facebook ancora-icone-blog-queimei-meus-navios Filmow ancora-icone-blog-queimei-meus-navios Skoob ancora-icone-blog-queimei-meus-navios Flickr 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s